quarta-feira, 10 de março de 2010

R$30 é caro por 48 páginas?

 Sede da Zarabatana. Na foto o editor Claudio Martini confere o recebimento referente à primeira tiragem.

     Apesar do livro não ter sido lançado ainda, vi algumas reclamações quanto ao preço. Poucas, mas válidas. Como sempre fui um questionador de aspectos como este, agora que estou do outro lado acho que posso ajudar a responder esta questão com mais propriedade.

R$30 é caro por 48 páginas?
     Sim, é. Mas eu acho que a resposta é um pouco mais ampla. Eu faria mais duas questões agora:

É justo?
     Eu ainda não tenho os números fechados, mas a distribuição das porcentagens para os custos de um livro, no geral, são mais ou menos assim:
25% - gastos com a gráfica
15% - editora (que tem gastos, por exemplo, com distribuição, impostos, funcionários)
10% - autor
50% - livraria
     Não é uma regra, mas varia em torno disso.
     Ou seja, se você pagar R$30 num livro, $15 é pra livraria e $15 é pra dividir entre editora, gráfica e autor. No nosso caso específico, eu e o Felipe não ganhamos um centavo durante mais de um ano que durou a produção (foram 2 anos desde que a idéia surgiu). Nós vamos receber uma porcentagem da venda dos livros. E um detalhe: se não tivéssemos ganhado o Proac, o livro custaria uns R$40, já que tivemos um alto gasto com as pesquisas e teríamos que bancar a gráfica do nosso bolso. Então podem ter certeza que estamos repassando esse desconto para o consumidor.
     Não podemos esquecer também que sai mais caro fazer um álbum brasileiro que publicar algo importado. Qualquer coisa com o nome "Batman" na capa chega aqui com seus custos já pagos (pela venda nos EUA), o que já barateia bem o valor. Além disso sua tiragem é muito maior, o que significa que entra bem mais dinheiro e que os custos acabam sendo ainda mais baixos (quanto maior a tiragem, menor o preço por exemplar). Mesmo assim, lembro que quando a Panini publicou O Cavaleiro das Trevas em capa-dura por R$100, muita gente disse que ia encalhar e acabou esgotando rapidinho  (o único problema desta edição é o papel não ser couché, na minha opinião. Deveriam ter cobrado um pouco mais e colocado).
     Voltando ao Jambocks!, nosso livro terá detalhes em verniz na capa e será em couché com alta gramatura, o que valoriza mais a edição. E encarece mais também. Porém acreditamos que o valor agregado justifica isso. O que me leva a segunda questão:

Vale a pena?
     Este é um aspecto mais subjetivo.
     Mas quem de nós nunca pagou algo que considerasse "caro", mas que valesse a pena? Uma edição de luxo, um dvd duplo, um cd importado... ou até mesmo um pedaço de bolo numa loja "mais chique". E no final veio aquela sensação "não foi barato, mas valeu cada centavo".
     É esta sensação que eu e o Felipe estamos torcendo com todas as forças que fique em quem comprar o livro. Se isso vai acontecer não temos como saber. Cada um tem seu gosto e com certeza não vamos agradar a todos. Mas dou minha palavra que fizemos um enorme esforço para tentar chegar lá. Afinal, também somos consumidores de quadrinhos e quando compramos algo também queremos que o investimento tenha valido a pena.
     Agora, um detalhe: os $30 são o preço de "tabela", mas nada impede que algumas livrarias resolvam vender mais barato ou fazer alguma promoção...

13 comentários:

Antigravidade disse...

Ou comprar diretamente com a editora, o que talvez saia mais barato!

Bom, eu vou querer um - e autografado - de qualquer forma!

Abraços,

Maurício Muniz (aquele pentelho!)

Antigravidade disse...

Outra:

Acho que o MESMO DELIVERY, quando saiu, custava 39 reais e também tem 48 páginas, certo?

E por uma editora maior do que a Zarabatana.

Só pra comentar...

Abraço,

Maurício

.Mah. disse...

Eh Juninho esta quase lá . Vc não sabe como ficamos felizes...
A sua vitória e nossa também.

Mas, eu já sabia... lembra anos atrás na frei Gaspar você e a Livia conversando e eu apareci e cantei a bola...
_É ele ,é ele, me dá um autografo?

Parabéns você merece isso e muito mais. Vamos comprar o livro mais queremos dedicatória.

Saudade

Paulo,Josiane,Mariana e tia Zélia

FM disse...

Bom, uma moeda de conversao bem utilizada é o Big Mac.
Com 30 reais da para comer 2 número 1.
Acredito que a sensacao nao sera tao boa e se deus quiser nao sera tao duradora também.
Entao prefiro trocar dois lanches no Mc, por uma bolacha club social e guardar dinheiro para o "gibi",,
Que vai com certeza durar bem mais e devera me trazer muito mais prazer.

Celso disse...

Fala, Maurício.. tudo bem?
Pois é... é só dar uma pesquisada por aí pra ver que o preço não está fora da realidade. Um dos maiores exemplos eu acho que é o livro "Aú, o Capoeirista". Segundo o Universo HQ (http://www.universohq.com/quadrinhos/2008/review_Au.cfm) o livro tem 48 páginas e custa $48 (a diferença aparentemente é que ele é capa-dura, o que encarece pacas o produto final). E, no entanto, o mesmo UHQ já noticiou que a primeira tiragem de mais de 2.000 exemplares já se esgotou.
E, realmente, FM... esse índice Big Mac é um bom parâmetro. Só espero sinceramente que o Jambocks! tenha mais valor que dois Big Macs. Senão eu e o Felipe estamos na roça..
Se bem que como moramos no interior.. enfim.. rs
E eu não lembro de nada não, Encrenca (ou Jô)... e também não coloco qualquer um na minha dedicatória..
hehe
Ah! Estou vendo aqui pra fazer um lançamento do livro em Santos, daqui há 1 mês mais ou menos... Continua acompanhando o blog que eu vou divulgar por aqui.

Lucas Pimenta disse...

Eu concordo com vocês... e acho um preço justo...

A minha questão é... com toda essa dificuldade de lançar um trabalho no Brasil, principalmente um como o de vocês, e que merece sim ser lançado, o ideal não seria lançar a obra em uma edição única.

Na capa consta que essa é a primeira parte, digamos que vocês possuam mais dua spartes de 48 páginas cada, para contar toda a história que deseja, não seria melhor, um álbum de 146 páginas, com um valor de 60, 70 reais aprox. (porque vai diminuir o custo de outras capas, a impressão seria toda de uma só vez e por ai vai...)

Então mesmo achando 30 reais um preo justo a ser pago pela HQ de vocês...

Acredito que seria muito mais justo pagar o dobro ou um pouco mais por uma obra completa...

Ou se vocês tiverem planos para mais seis partes, duas edições de 60 reais...

Enfim...

Fica aqui minha opinião.

Abraços e parabéns pelo lançamento.

Eu espero que seja um sucesso de vendas, para motivar a editora a lançar o restante do material de vocês, porque podemos correr até o risco da editora não se contentar com as vendas e ficarmos a ver navios, sobre o restante da história...

Vocês perdem e nos perdemos.

Assumir essa divisão de histórias, em um mercado de quadrinhos como o nosso, é um risco alto demais.

arkhan disse...

PARABENS PELO LIVRO, VI ALGUMAS PAGINAS NO OMELETE E ADOREI, MAS... !!!!!!!!!

SEI QUE OS CUSTOS SÃO ALTOS E NOSSOS SALÁRIOS BAIXOS, MAS ENQUANTO NÕ CHEGAR A UNS R$ 12,00 NÃO TEM COMO !!!!!

ESPERO QUE VOCÊS ESCONTREM PESSOAS COM MAIS RECURSOS QUE EU E QUE AS VENDAS DECOLEM !!!!

Noeli Guedes disse...

Achei mto legal cada passo que foi dado prá esse sonho de vcs virar um objetivo... A partir de Abril vou passar na Nobel com frequência e quero que vc, por favor, autografe o meu Jambocks!, viu Jr???

Bjo grande...

Ps: 30 mango num é caro, ja tive sapatos muuuuuito mais caros que duraram menos que os meus gibis do Urtigão...

ligia disse...

R$30,00? É algum tipo de promoção??? Eu vou querer pelo menos uns 3!!!

Kasuo Haro disse...

48 páginas por R$ 30,00?
Eu acho que o importante não é o tamanho mas o prazer que proporciona.

Celso disse...

Belas palavras, Kasuo... rs
E as suas também, Ligia... mas eu não sei... você não está sendo influenciada pelo fato de ser minha irmã?
Beijão!

Elson Souto disse...

HAHHAHAHAH!!! A Ligia!!! mandou bem Ligia!! Concordo com ela! Detalhe, eu não sou irmão do Celso!

Nando Nakutis disse...

Gostei muito da idéia e a arte é muito bacana também. Me interessei muito pela HQ.
Quanto ao preço, tenho duas dúvidas:
segundo as porcentagens que você relatou para cada participante, não deveria excluir os 25% da gráfica já que vocês a custearam com o Proac? A outra dúvida é, seria possível usar uma ferramenta de venda direta para o cliente pela internet e excluir os 50% da livraria e inserir apenas os gastos com a entrega como já feito com livros? Não sei se o custo da entrega valeria a pena. Mas por não morar perto de livrarias que tenho certeza que encontrarei o título, por optar pelo conforto e economia de tempo e transporte, talvez o novo custo valesse a pena, economicamente falando.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Hombre, 31 anos, formado em publicidade e louco por cinema, hqs e música